sábado, 17 de maio de 2008

Teoria 16: Interlocutor que não entende seu nome.

Baseado em fatos reais.

-Qual seu nome?
-Telma.
-O quê? Ema?
-Não, Telma.

Outra situação.

-Qual seu nome?
-Sara.
-O quê? Fada?
-Não, S-A-R-A.

A teoria: Toda vez que alguém pergunta seu nome e não entende sua resposta é porque vocês não se darão bem.

O que acontece é que aparentemente nossos sentidos ficam prejudicados quando pessoas que não estão em sintonia com a gente se aproximam, logo a fala ou a audição falham. Então não importa se foi você quem perguntou ou quem respondeu o nome; se teve que perguntar ou responder de novo: acabou, a pessoa não serve! É incrível como funciona essa teoria. Essa abordagem inicial é decisiva. Por isso, preste muita atenção quando perguntar o nome de alguém; não entender a resposta pode significar a extinção daquele contato.

P.S.: Essa teoria não se aplica aqueles nomes super exóticos originários de alguma comunidade agrária do centro-oeste da Transilvânia.

P.S.2: Há também o fator língua presa, mas não importa; quem perguntou o nome precisa estar pronto para desvendar a resposta.

4 comentários:

Lucio disse...

Russo?

Kinna disse...

hahahahahahha
Eu ia colocar, mas respeitei o direito autoral (?).

Bel Keppler disse...

amigos virtuais.
hahahaha.

- mas meu nome é LU-CIO
- sim, eu entendi, russo é apelido. mas vc não tem nada a ver com russo!!!

Psicologia disse...

Concordo, sem dúvida. Tem outro caso.
-Qual seu nome?
-Vanda.
-O quê? Panda?
-Não, caralho, Vanda.