quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Teoria 25: O machismo usa maquiagem.

A teoria: Quanto mais patriarcal (ou machista) a sociedade, mais maquiagem e apetrechos utilizam as mulheres. Em sociedades mais igualitárias, as mulheres andam mais ao natural, porque não há aquela imposição implícita de "estar bonita para agradar aos homens" que existe nas culturas de países sub-desenvolvidos (como o Brasil, por exemplo).

Essa teoria pode ser comprovada através de viagens para países desenvolvidos ou através da observação da caracterização dos personagens latinos nos filmes europeus e estadunidenses.

5 comentários:

blah disse...

é faz um certo sentido... normalmente as latinas aparecem como "pinheiros de natal"...

Psicologia disse...

teorias fresquinhas!
gostei... mas terei que refletir sobre o assunto.

Psicologia disse...

é a bel.

Rayssa. disse...

ah discordo dessa teoria... talvez pelo fato de usar maquiagem e vcs duas donas do blog não =P
sabe aquela frase que uma mulher se arruma para outra, e não para os homens? então...
e isso também pode ser percebido quando o homem não nota algum detalhe diferente na mulher.

Tami disse...

Legal o blog.. aqui é tami.. deixo uma contribuição sobre tema..
" Com o fim da sociedade coletivista, marcada pelo matriarcalismo, em que as mulheres exerciam peso dirigente, insitiui-se junto com o capitalismo o patriarcalismo e tempos depois o matrimônio monogâmico.
Isso representou não só o fim da independência e papel dirigente das mulheres, mas a domesticação das mesmas nos primitivos"nucléos-familiares", o fim da mulher no controle dos meios de produção e a intensa necessidade da mulher ser a procriadora de herdeiros legítimos da propriedade privada então estabelecida.
Com isso, a mulher nõ só perde a liberdade sexual como se torna economicamente dependente dos homens, que também as utilizam como títulos de propriedade,logo inicia-se a luta do homens pelas propriedades e riquezas e a disputa entre as mulheres por homens ricos e poderosos, tal fato explica os costumes de rituais de ostentação e embelezamento de esposas nas sociedades asiáticas e tem que tem a sua máxima na sociedade de consumo, moda e maquiagem das sociedades contemporâneas, hoje tido como relações competitivas naturais, antes nao observadas, pois se constituem com o capitalismo."
Techo do livro Sexo contra Sexo ou Classe conta Classe da antopóloga e militante feminista Evelyn Reed.